Novas ferramentas permitirão mais agilidade e melhora a troca de informações

furano forest20Desde outubro deste ano, o Brasil passou a fazer parte da Plataforma Internacional de Informação sobre Biodiversidade (GBIF, na sigla em inglês), que engloba registros online sobre biodiversidade. Atualmente, a rede comporta mais de 388 milhões de documentos, de mais de 10 mil bancos de dados oriundos de 422 instituições de ensino e pesquisa.

A GBIF, que é composta por 58 nações e 46 organizações, mantém dados sobre a ocorrência de espécies vegetais, animais e de microrganismos registradas em herbários, museus, coleções zoológicas e microbianas, assim como sistemas com informações de observação.

“A entrada do Brasil é um passo muito significativo para nós. Defendemos a visão de um mundo em que a informação sobre a biodiversidade esteja livremente e universalmente disponível para a ciência e para a sociedade. Isso requer a participação do maior número possível de países detentores de megadiversidade, como o Brasil. Com dez anos de experiência na construção de sistemas para gerenciamento de informação sobre a biodiversidade, o GBIF oferece ferramentas, treinamento e padrões para agilizar a digitalização, mobilização, descobrimento, acesso e uso dos dados”, afirmou Tim Hirsch, responsável pela comunicação do GBIF.

Segundo Carlos Alfredo Joly, coordenador do Programa BIOTA-Fapesp, o uso dessas ferramentas é de grande importância para a ciência nacional. “Permitirá, por exemplo, trabalhar com cenários de mudanças climáticas e as consequências disso na distribuição de espécies”, comentou.

Fonte: Agência Fapesp