Modelos tradicionalmente adotados por estudantes foram considerados de baixa eficácia

120px-Study roomA revista científica Psychological Science in the Public Interest publicou um artigo intitulado Improving Students' Learning With Effective Learning Techniques: Promising Directions From Cogntive and Educacional Psychology, que analisou modelos de estudos, seja para concursos, exames escolares ou até mesmo para aprimorar técnicas de memorização.

De acordo com a pesquisa, as muitas práticas conhecidas de estudantes, pesquisadores e professores, tais como: grifar, resumir, reler o conteúdo, utilizar mnemônicos, e visualizar imagens para apreensão de textos foram consideradas de nível baixo de eficácia.

Já outras ficaram no meio termo, como as técnicas de auto-explicação, estudo intercalado e interrogação elaborativa.

Métodos mais eficientes de estudo são baseados em práticas menos cansativas e menos estressantes, tais como:

- teste prático (resolução de questões de temas que esteja estudando; pode ser resolvendo provas anteriores de concursos e verificando o nível de acerto dos resultados)

- prática distribuída (distribuição de períodos de estudo ao longo do dia, evitando concentração em períodos longos)

Quem desejar acessar o texto completo, em inglês, pode acessar este link.